"Black Friday de 2021 vai ser a da retomada do varejo", diz sócio da PwC

2 months ago 36

Patrcia Comunello

A Black Friday deve recompor receitas e até o ânimo do varejo, principalmente das grandes companhias, que estão com seus ativos expostos na bolsa de valores. Além disso, a arrancada da digitalização e um consumidor em busca de descontos para aliviar a conta da inflação acelerada desde o primeiro semestre completam o cardápio do ambiente que envolve a temporada de promoções.

Quer continuar lendo este e outros contedos srios e de credibilidade?
Assine o JC Digital com desconto!

Desktop/tablet/smartphone

  • Personalize sua capa com os assuntos de seu interesse
  • Acesso ilimitado aos contedos do site
  • Acesso ao Aplicativo e verso para folhear on-line
  • Contedos exclusivos e especializados em economia e negcios
  • Cancelamento on-line e a qualquer momento

Assine J nosso assinante? faa login

A Black Friday deve recompor receitas e até o ânimo do varejo, principalmente das grandes companhias, que estão com seus ativos expostos na bolsa de valores. Além disso, a arrancada da digitalização e um consumidor em busca de descontos para aliviar a conta da inflação acelerada desde o primeiro semestre completam o cardápio do ambiente que envolve a temporada de promoções.

Os quatro itens foram destacados, em uma rápida análise, pelo sócio da PwC Brasil Giancarlo Chiapinotto, em conversa com a coluna. A Black Friday de 2021, cita Chiapinotto, também consagra uma maior confiança no canal online, que teve a reputação comprometida desde os primeiros anos desse tipo de ação importada do comércio norte-americano.

"O consumidor brasileiro se considera digital mais que a média global, o que justifica o crescimento de redes físicas para as plataformas digitais. A internet é muito forte nas campanhas, e a pandemia acelerou muito isso", associa o sócio da PwC.

Quesitos sensíveis como a segurança na compra e a entrega tiveram melhora. Aliás, o tempo de envio da mercadoria virou um dos campos de batalha entre concorrentes, e algumas horas a mais ou a menos fazem toda a diferença, dizem as empresas. Ter a infraestrutura logística na mão passou a ser regra.  

E são justamente essas megaredes varejistas, de Magazine Luiza, Via a Americanas, que estão atrás de melhores resultados para recuperar pontos com o mercado acionário. Os balanços do terceiro trimestre, mesmo com aumento de vendas, vieram menos reluzentes quando se trata de margem e remuneração do capital. Isso é efeito já de perda de renda devido à alta de preços, por exemplo, que reduz a capacidade de gastar das famílias.

"A aposta desses setores (varejistas) é que vai ser a Black Friday da retomada", aponta o consultor, que vê oportunidades para o consumidor com menos dinheiro ter acesso a produtos mais baratos. O sócio da PwC cita ainda que o começo do pagamento do Auxílio Brasil, versão bolsonarista do Bolsa Família, vai ser outro fator para a recomposição das receitas.

"Uma alavancagem de vendas é importante para termos um quarto trimestre relevante para o varejo", vincula Chiapinotto. "Vai ser a Black Friday da recuperação do varejo."

Read Entire Article