Garimpo ilegal causa prejuízo socioambiental de R$ 31,4 bilhões

1 week ago 7

Atualmente, centenas de balsas de garimpo ilegal estão reunidas no Rio Madeira e a Polícia Federal prepara uma ação para conter o avanço

Não há dados precisos sobre o volume de ouro contido no leito dos rios amazônicos. Há décadas, porém, as margens e os fundos de grandes rios da margem direita do grande Amazonas, como o Madeira, Tapajós, Jamanxin, Teles Pires e Xingu são alvos de ações criminosas de garimpeiros. Atualmente, centenas de balsas de garimpo ilegal estão reunidas no Rio Madeira e a Polícia Federal prepara uma ação para conter o avanço da exploração e dos danos ambientais na região.

Um estudo realizado neste ano pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) estima que, entre 2019 e 2020, foram comercializadas 174 toneladas de ouro pelo Brasil. Esse volume seria suficiente para encher a caçamba de 11 caminhões “toco” – ou semipesados – de ouro puro. Do total, 49 toneladas saíram de áreas com evidências de irregularidades.

Segundo o levantamento, 13% das áreas de lavra mencionadas como o local de origem do ouro não tinham evidência de exploração, portanto, provavelmente o metal era originário de áreas ilegais. Os demais 87% envolviam áreas exploradas para além das autorizações de lavra de fato concedidas.

Conforme o estudo, assinado pelo Centro de Sensoriamento Remoto e o Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais (UFMG), além do Ministério Público Federal, estima-se que o ouro ilegal explorado entre 2019 e 2020 tenha causado um prejuízo socioambiental de aproximadamente R$ 31,4 bilhões.

Um documento elaborado pela organização indigenista Operação Amazônia Nativa (Opan), em parceria com o Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS) e com a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) aponta que o Estado do Amazonas conta, atualmente, com 2.857 processos minerários ativos na Agência Nacional de Mineração (ANM), em várias fases de tramitação, atingindo uma área de aproximadamente 12.800.016 hectares, o que corresponde a cerca de 8% de todo seu território. Desse total de pedidos, 34% requerem a extração de ouro.

Os dados se baseiam em informações oficiais do Sistema de Informações Geográficas da Mineração (Sigmine), banco de dados mantido pela ANM.

Veja imagens das centenas de balsas de garimpo ilegal que estão reunidas no Rio Madeira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Read Entire Article