IEAVi apresenta mostra de pinturas de Denise Iserhard Haesbaert e Rosali Plentz

1 month ago 7

exposio

- Publicada em 22/10/2021 s 16h14min.

Com curadoria de Niura A. Legramante Ribeiro, 'O Outro no Eu' abre neste s

Com curadoria de Niura A. Legramante Ribeiro, 'O Outro no Eu' abre neste sbado (23)


NILTON SANTOLIN/DIVULGAO/JC

O Instituto Estadual de Artes Visuais (IEAVi) inaugura neste sábado (23), às 10h, a exposição O Outro no Eu, das artistas Denise Iserhard Haesbaert e Rosali Plentz, com curadoria de Niura A. Legramante Ribeiro. A mostra ocorre na Fotogaleria Virgílio Calegari, localizada no 7º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), com visitação gratuita de segunda-feira a domingo, das 10h às 18h.

Quer continuar lendo este e outros contedos srios e de credibilidade?
Assine o JC Digital com desconto!

Desktop/tablet/smartphone

  • Personalize sua capa com os assuntos de seu interesse
  • Acesso ilimitado aos contedos do site
  • Acesso ao Aplicativo e verso para folhear on-line
  • Contedos exclusivos e especializados em economia e negcios
  • Cancelamento on-line e a qualquer momento

Assine J nosso assinante? faa login

O Instituto Estadual de Artes Visuais (IEAVi) inaugura neste sábado (23), às 10h, a exposição O Outro no Eu, das artistas Denise Iserhard Haesbaert e Rosali Plentz, com curadoria de Niura A. Legramante Ribeiro. A mostra ocorre na Fotogaleria Virgílio Calegari, localizada no 7º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), com visitação gratuita de segunda-feira a domingo, das 10h às 18h.

As pinturas foram realizadas em parceria, de forma que as artistas trocavam as telas e faziam interferências, criando um diálogo entre as poéticas para produzir reflexões sobre os momentos vividos durante a pandemia. O projeto resultou em mais de 70 obras de diversos tamanhos. A pesquisa plástica contemplou o uso de materiais antagônicos, como as tintas acrílica, óleo e materiais diversos. As suas obras ficam no limiar entre o desenho e a pintura.

Devido ao distanciamento social, as discussões foram realizadas por vídeo-chamadas, meio pelo qual trocavam as experiências, gestos e emoções. O tempo tomou outra dimensão, materializado em imagens que tratam da representação de paredes, muros, grades e janelas, símbolos do isolamento pandêmico, que impôs um outro modo de vida e cujas linguagens podem evocar a cruz, a morte, a doença ou a cura.

Read Entire Article