Omega melhora oferta a minoritários

2 weeks ago 13

Ana Paula Ragazzi

A pressão dos acionistas minoritários surtiu efeito e a Omega Geração alterou as condições inicialmente propostas para a incorporação da Omega D, sua empresa-irmã de desenvolvimento de projetos, esperando com isso selar a fusão entre as duas empresas.

As duas Omegas têm os mesmos controladores: a gestora Tarpon e um grupo de executivos e fundadores.

Nada mudou na avaliação da Omega G, que permaneceu em R$ 40 por ação, ou R$ 7,8 bilhões de valor de mercado.

Já para a Omega D, o equity value foi reduzido em 27%, de R$ 2,7 bilhões para R$ 1,966 bilhão.

Com a nova condição, os acionistas da Omega D terão 20% da nova empresa e os da Omega G ficarão com 80% — ennquanto a proposta inicial dava a eles 74,35% do novo negócio.

Na estrutura final da nova empresa — a Omega Energia — os atuais controladores terão 49,5%, e os minoritários, 50,5% — na proposta inicial, essa relação ficaria em 53/47%.

Além da mudança no valuation, a Omega G também atendeu outras “sugestões de investidores que são referência em governança e compliance,” a empresa disse em comunicado.

O novo acordo prevê que os controladores terão lockup até 2024 para as ações da Omega Energia e também estabelece um compromisso de não-competição por 2 anos se um dia eles venderem ações e deixarem de ser os maiores acionistas da empresa.

No comunicado, a Omega G diz que, apesar dos questionamentos sobre o valuation, todos os acionistas sempre concordaram que a combinação de negócios tem enorme mérito estratégico e grande potencial de criação de valor do negócio.

A assembleia que vai examinar a operação será em 28 de outubro.

Read Entire Article